Organizadores do Alok merecem aplausos, não criticas

Por Juan Pantoja 26/09/2019 - 02:05 hs

Faltando menos de uma semana para a festa Green Valley em Porto Velho, onde terá como atração principal um dos maiores DJs da atualidade, Alok, que virá para a capital pela primeira vez, a mudança de local deixou uma parte das pessoas 'revoltadas', e, com isso, as críticas em cima dos organizadores foram muitas.


Primeiro, devemos parabenizar e louvar quem ousa realizar eventos nesta cidade, com tanta burocracia, logística, público infiel, um monopólio e uma legislação que mais atrapalha do que ajuda, ainda existem pessoas que investem tempo e dinheiro com a realização destes grandes eventos, que estão quase entrando em extinção por aqui.


Isso, em extinção, pode-se ver, festas tradicionais que já tivemos no passado quase nenhuma (nenhuma mesmo) ainda permanecem de pé. Os organizadores já desencanaram, desistiram disso e arrumaram outra área. 


Eu já parabenizo as boates que ainda estão vivas, pra continuar em uma cidade atípica dessas que uma hora um lugar lota outra hora tá vazio, não é moleza...


Óbvio, que como uma empresa qualquer, você precisa pensar em estratégias para atraírem os consumidores e fazer com que eles queiram gastar seu dinheiro na sua empresa, festa ou evento. 


No entanto, a questão aqui é muito mais do que isso. A questão principal é de quanto essa turma se desgasta realizando eventos aqui. Vocês não têm noção da burocracia que é. Detalhe, vocês podem ver nessa matéria que foi realizada por este site um tempinho atrás. 


CONFIRA: Produtores de eventos querem mudanças na lei 190


Se os produtores não têm apoio do estado, de empresários locais ou apoio político, o mínimo que precisam ter é apoio popular. O interior, por exemplo, é muito mais atrativo aos produtores do que aqui, Porto Velho.


Que venha a Green Valley, que venha o Alok, que venha esses e outros eventos pra nossa capital. Nós, o público, precisamos. Sucesso!