Polícia mata rapaz após apologia a Lázaro; mãe diz que jovem tinha problemas mentais

Hamilton Cesar Lima Bandeira publicou um vídeo nas redes dizendo que admirava matador. Delegacia diz que ele teria tentado atacar policiais, que efetuaram os disparos.

20/06/2021 - 17:10 hs

Polícia mata rapaz após apologia a Lázaro; mãe diz que jovem tinha problemas mentais
Hamilton Bandeira e Lázaro Barbosa (Montagem)

Um rapaz identificado como Hamilton Cesar Lima Bandeira, que morava no Povoado Calumbi, em Presidente Dutra, no interior do Maranhão, foi morto na última quinta-feira (17) pela polícia após fazer apologia a Lázaro Barbosa, criminoso que está sendo caçado há 12 dias em Cocalzinho de Goiás.

Após publicar um vídeo na internet afirmando que admirava o matador do Distrito Federal, Hamilton teria publicado uma foto com uma faca “dando a entender que faria algo semelhante [ao Lázaro], levando a população ao desespero”, segundo a delegacia regional.

Policiais que foram até à casa do rapaz, que morava com a mãe e a avó, de 91 anos, dizem que o rapaz “não atendeu a ordem policial, tentando atacar os policiais (conforme B.O. registrado), os quais, diante da situação apresentada, tiveram que efetuar disparos de arma de fogo contra o rapaz”, segundo nota da delegacia ao portal Metrópoles.

Hamilton chegou a ser socorrido e levado ao hospital da cidade, mas não resistiu aos ferimentos.

Em entrevista ao blog regional do jornalista Carlinhos Filho, a mãe do rapaz disse que ele tinha problemas mentais e tomava remédios controlados.

“Meu filho usa remédio controlado, então certas coisas que ele fala são só da imaginação dele, mas ele nunca fez e nem faria mal para ninguém. Não era motivo de ninguém chegar aqui e já ir atirando e matando.”, disse a mãe, que acusa os policiais de assassinar o filho por razões torpes.

“Deram três tiros nele, ele caiu no chão e depois o pegaram, colocando ele na viatura como se fosse um animal. Ele ficou com um ferimento no rosto por causa da violência em que foi jogado no carro. Eu quero justiça, até porque não tinha nenhuma passagem pela polícia, ele nunca fez nada”, completou a mãe.

Revista Fórum