Governo Federal reduz verba do SBT e da Recorrd e dá pra Globo

O ministro que cuida das verbas de mídias, Fábio Faria, é genro de Silvio Santos

24/11/2021 - 20:33 hs

Logo em sua chegada ao ministério das Comunicações, em junho de 2020, Fábio Faria, genro de Sílvio Santos, foi obrigado, por determinação do Tribunal de Contas da União (TCU), a realinhar as verbas da publicidade estatal federal da Secom (Secretaria de Comunicação) do Palácio do Planalto.

Desde 2019, o primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro (Sem Partido), a Record, emissora de Edir Macedo, é a que mais se beneficia quando somados os recursos destinados pela Secom. Nesses 3 anos, a emissora do pastor acumula R$ 58,8 milhões. O SBT, em 2º, recebeu R$ 53,5 milhões. A Globo, apesar de ser a primeira em audiência, está em 3º lugar no acumulado da administração bolsonarista na Secom, com R$ 47,2 milhões.

Os dados são do Poder360, que só teve acesso aos recursos programados pela Secom e não o total de gastos em publicidade estatal federal das administrações direta e indireta. Por conta disto, ficam de fora os gastos com propaganda realizados por Petrobras, bancos públicos e pagamentos dos próprios ministérios para campanhas específicas. O site avisa que essas informações completas e compiladas não estão mais disponíveis ao público desde 2017, com a chegada de Michel Temer ao Planalto.

Emissoras aliadas

Relatório do TCU de novembro de 2019 indicou que a Secom do governo destinava maiores percentuais de verbas publicitárias para a Record TV e o SBT, mesmo que as emissoras não sejam líderes em audiência. O documento indicava assimetria no pagamento.

Ao se considerarem os investimentos totais da secretaria em empresas de mídia e não só nas emissoras de TV, a remessa destinada à Globo caiu de 27% no fim do governo Dilma para 10% no atual momento do governo Bolsonaro.

Comparados os índices de audiência de cada emissora no período de outubro de 2020 a outubro de 2021, a Globo figura isolada na liderança. A porcentagem do número de espectadores comparada aos níveis das concorrentes é de 31%, enquanto Record TV e SBT aparecem com 12% e 10%, respectivamente.

A partir da determinação, que o genro de Sílvio Santos foi obrigado a acatar, a emissora líder em audiência passou novamente a receber mais recursos. Paralelamente, o SBT teve uma redução de investimento.

Com informações do Poder 360