Filho de 2 anos de delegado morre engasgado com tampa de garrafa

O delegado Carlos Alberto Gomes Pereira Filho escreveu uma carta enviada à imprensa na terça-feira (11/1)

13/01/2022 - 17:04 hs
Foto: Arquivo Pessoal.

Um menino de 2 anos, filho do delegado da Polícia Civil do Amapá Carlos Alberto Gomes Pereira Filho, morreu engasgado com uma tampa de garrafa pet, em Macapá, na última sexta-feira (7/1). O pai se pronunciou sobre o caso pela primeira vez na terça-feira (11/1), por meio de uma carta de esclarecimento enviada à imprensa. No documento, ele responde às criticas que recebeu, proferidas especialmente pelas redes sociais e pela família materna da criança. O delegado ressalta que fez tudo o que estava ao seu alcance para salvar o filho. Ele também afirma sofrer com as acusações de negligência sobre a morte da criança. Os dois estavam sozinhos no momento do acidente. “Eu fiz de tudo para salvar a vida do meu filho. Quando ele engoliu a tampinha, estava próximo de mim, e o fez no momento em que eu estava organizando as coisas pós-almoço. Não houve falta de cuidado, ele estava sendo monitorado”, disse o pai. Carlos Alberto afirmou que organizava a casa quando percebeu que o filho ficou em silêncio e que a criança não estava se mexendo. “Assustado e sozinho, tentei identificar o que estava ocorrendo, mas, no momento de desespero, não consegui entender ou detectar o motivo. A reação que consegui ter naquele momento foi checar os sinais vitais, que estavam presentes”, relatou. Ele disse que levou a criança à unidade de saúde mais próxima. “Lá chegando, o médico imediatamente o atendeu. A equipe médica optou por chamar o Samu, que chegou após aproximadamente 30 minutos, o que aumentou ainda mais a minha angústia, já que não sabia o que estava acontecendo com o meu filho. Após a sua chegada, a equipe do Samu rapidamente identificou o problema e retirou uma tampinha de garrafa pet das vias aéreas do meu filho. Infelizmente, ele já não apresentava mais sinais vitais”, escreveu. Na carta, ele explica que não compareceu ao velório e ao enterro do filho em razão das ameaças que estava sofrendo e para não gerar desconforto maior com sua presença no local. Carlos Alberto também esclareceu que demorou para se pronunciar devido ao desgaste mental com toda a situação. “Quero, na oportunidade, me solidarizar verdadeiramente com a família. Mas quero que não se esqueçam que eu também sou a família. Todos estão sofrendo muito, jamais em minha vida gostaria que isso tivesse ocorrido. Não desejo isso a ninguém, eu era o maior interessado em ver meu filho bem. Mas não se esqueçam que sou um pai que assistiu ao seu filho morrer. Não quero dizer que minha dor é maior que a de ninguém, mas também não é a menor”, declarou o delegado.

Fonte: Metrópoles