Centenas de guarda-costas vigiam Putin dia e noite, além de provar tudo o que ele come e bebe

Vladimir Putin vive cercado por seguranças pessoais.

28/03/2022 - 11:14 hs
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Nada é improvisado na vida de Vladimir Putin. Todos os passos do presidente russo são observados de perto por centenas de guarda-costas que o acompanham 24 horas por dia. Sua comida é preparada às escondidas e tudo o que ele bebe deve ser previamente checado por seus assessores mais próximos. Ex-oficial da KGB, o serviço de segurança da União Soviética, Putin conhece muito bem as ameaças que existem ao seu redor, especialmente em tempos de guerra. O mandatário lidera a invasão russa à Ucrânia, e isso representa alguns riscos adicionais para sua segurança. Mas quem está realmente encarregado de protegê-lo? E quais são algumas das medidas que são tomadas para mantê-lo seguro? A BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC, reuniu alguns pontos sobre o assunto. Ampla equipe de segurança Entre os vários serviços de segurança que operam atualmente na Rússia, há um especialmente dedicado a proteger o presidente e sua família: o Serviço de Segurança Presidencial da Rússia. Esse esquadrão se reporta ao Serviço Federal de Proteção da Rússia (FSO), que tem suas origens na antiga KGB, e que também protege outros servidores de alto escalão do governo, incluindo o primeiro-ministro do país, Mikhail Mishustin. É desse órgão que vêm os homens vestidos de preto com fones de ouvido que protegem o presidente 24 horas por dia. De acordo com o Russia Beyond, uma agência estatal, quando esses agentes acompanham Putin em atividades no exterior, eles se organizam em quatro círculos. O círculo mais próximo é composto por guarda-costas pessoais do presidente. O segundo é formado por guardas disfarçados, que passam despercebidos em público. O terceiro circunda o perímetro da multidão, impedindo a entrada de pessoas suspeitas. E o quarto e último círculo é formado por franco-atiradores localizados em telhados de prédios vizinhos. Esses agentes também acompanham Putin quando ele se desloca de um lugar a outro. "Putin não gosta de helicópteros, ele costuma viajar com uma carreata enorme, com motociclistas, muitos carros pretos grandes, caminhões etc. Qualquer drone que possa estar no espaço aéreo é bloqueado e o tráfego é interrompido", diz Mark Galeotti, especialista em segurança russa e diretor da Mayak Intelligence, consultoria dedicada a analisar questões de segurança no país. O Serviço de Segurança Presidencial russo é apoiado pela "Guarda Nacional Russa", ou Rosgvardia, que foi formada pelo próprio Putin há seis anos. Alguns descreveram o órgão como uma espécie de "exército pessoal" do presidente. Esse grupo é independente das Forças Armadas e, embora sua missão oficial seja proteger as fronteiras, combater o terrorismo e proteger a ordem pública, entre outras tarefas, na prática uma de seus principais objetivos é proteger Putin de possíveis ameaças. "Todo mundo sabe que eles são em grande parte guarda-costas pessoais de Putin", diz Stephen Hall, especialista em política russa da Universidade de Bath, no Reino Unido. "E o presidente está muito protegido por eles e pelo resto dos serviços de segurança", acrescenta. Atualmente, o chefe da Guarda Nacional é Viktor Zolotov, um ex-guarda-costas de Putin. Zolotov é um aliado leal do presidente e nos últimos anos aumentou em cerca de 400 mil o número de militares que integram essa força de segurança. "É um número enorme, as unidades de segurança para presidentes como os Estados Unidos não chegam nem perto desse contingente", diz Hall. Medidas de proteção Embora seja difícil saber até que ponto vão as medidas que buscam proteger Putin, o próprio Kremlin e especialistas em segurança lançaram alguma luz sobre o assunto. Uma das questões tratadas com mais cautela é a alimentação. Segundo Mark Galeotti, Putin tem um "provador pessoal" que confere tudo o que o presidente vai comer. O objetivo é impedir um possível envenenamento. "Faz parte de um estilo mais próximo ao de um monarca medieval do que de um presidente moderno", diz Galeotti à BBC News Mundo. Além disso, quando Putin viaja para fora da Rússia, a equipe do presidente cuida de tudo que ele consome. "Eles pegam toda a comida e bebida que ele vai consumir. Então, por exemplo, se tem um brinde oficial com champanhe, ele pega da garrafa que sua equipe traz, não a que é servida no evento", explica Galeotti. Stephen Hall, por sua vez, diz que seus guarda-costas observam atentamente como a comida é produzida para evitar qualquer risco. Telefones inteligentes Outra medida que busca proteger Putin é o bloqueio de smartphones dentro do Kremlin. O próprio presidente confirmou que não usa esses dispositivos. Em 2020, em entrevista à agência de notícias estatal TASS, ele admitiu isso, também apontando que, se quisesse conversar com alguém, havia uma linha oficial para fazê-lo. Seus conselheiros também admitiram essa estratégia. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse repetidamente que Putin não usa telefones celulares porque "não tem muito tempo". Entre as razões que explicam a relutância é uma profunda desconfiança da internet por parte de Putin. No passado, aliás, ele afirmou que a internet é um "projeto da CIA" - a agência de inteligência dos EUA -, e pediu aos russos que não façam buscas no Google porque considera que os americanos estão monitorando todas as informações. "Putin quase não usa a internet, é sabido que ele não gosta de telefones. E bem, sejamos honestos, do ponto de vista da segurança, Putin está absolutamente certo. Smartphones não são muito seguros", diz Galeotti. Diante disso, o acadêmico afirma que Putin recebe de seus assessores arquivos e relatórios em papel. "Ele começa o dia com três relatórios de segurança. Um é o que está acontecendo no mundo, um é o que está acontecendo na Rússia e o terceiro é o que está acontecendo dentro da elite do país", diz ele. "Para ele, esta é a informação mais importante e que vai definir o seu dia." "Lembro-me de conversar com diplomatas e funcionários do Ministério das Relações Exteriores que me disseram que estavam frustrados porque, se tiverem informações que entrem em conflito com seus serviços de inteligência, Putin tenderá a supor que seus espiões estão certos e os diplomatas estão errados", acrescenta. Isolamento e pandemia Atualmente, o acesso a Vladimir Putin é extremamente limitado. Os poucos líderes que se reúnem com ele, como o presidente brasileiro Jair Bolsonaro, em fevereiro, devem permanecer a vários metros de distância. O encontro com o presidente da França, Emmanuel Macron, chamou atenção por uma imagem que mostrava o francês sentado no lado oposto de uma longa mesa. Parte dessas medidas são uma herança da pandemia de covid-19, que acabou isolando Putin ainda mais. De acordo com o serviço russo da BBC, entre as medidas que foram implementadas nesse período estão: uma quarentena obrigatória de duas semanas para quem quiser assistir a encontros com o presidente; rigoroso regime de controle médico, que inclui testes periódicos de PCR, para todos que cercam Putin; e a redução quase total da participação em eventos públicos. Em 15 de março, o secretário de imprensa do governo russo, Dmitry Peskov, confirmou que todas as medidas anti-covid relacionadas à segurança de Putin permanecem intactas até que "especialistas considerem apropriado". Na Rússia, a saúde pessoal de Putin é vista como uma questão de segurança nacional. Em entrevista ao programa Today, da BBC Rádio 4, o general americano James Clapper - que supervisionou a CIA, FBI, NSA e serviu como um dos principais conselheiros do ex-presidente Barack Obama - confirmou que Putin está isolado fisicamente. "Putin esteve amplamente isolado, principalmente nos últimos dois anos com a pandemia. Poucas pessoas realmente têm acesso a ele, o que dificulta muito a coleta de informações a seu respeito", diz Clapper. Galeotti concorda: "Putin vive muito isolado. O círculo de pessoas ao seu redor diminuiu drasticamente", diz. "Ele não viaja mais pelo país e sua aparição em eventos públicos é algo bastante raro. Os seguranças estão entre as poucas pessoas com quem Putin tem um relacionamento pessoal", diz ele. Segundo Galeotti, isso explica, em parte, por que muitos desses seguranças pessoais foram posteriormente nomeados para altos cargos no governo, como é o caso de Viktor Zolotov, da Guarda Nacional. Alguns analistas de inteligência dizem que as medidas extremas de segurança em torno de Putin são parcialmente explicadas por uma espécie de "paranóia". Já outros afirmam que o presidente, com sua experiência na KGB, sabe melhor do que ninguém como sua segurança é importante. Seja como for, tudo indica que a proteção e isolamento de Putin só aumentam. Como diz Galeotti, as coisas são feitas no Kremlin "como Putin quer que sejam feitas".


Fernanda Paúl - BBC News Mundo