Seja bem vindo
Porto Velho,11/08/2022

  • A +
  • A -
Publicidade

Após cortes da Rússia, Alemanha considera prolongar atividade de usinas nucleares

Foto: g1.globo.com
Após cortes da Rússia, Alemanha considera prolongar atividade de usinas nucleares




Antes da guerra, Berlim planejava abandonar totalmente produção de energia nuclear em 2022. País é o mais afetado pelos cortes de fornecimento de gás russo à Europa. O chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, em foto de maio, planeja prolongar a atividade nas usinas nucleares de seu país, previstas inicialmente para encerrarem as atividades em 2022.
Lisi Niesner/ Reuters
O chanceler alemão, Olaf Scholz, afirmou nesta quarta-feira (3) que "poderia fazer sentido" prolongar a exploração das três últimas usinas nucleares ativas na Alemanha, país que sofre especialmente a escassez de gás russo e que teme uma crise energética.
Estas usinas "são adequadas somente para a produção de energia elétrica e apenas para uma pequena parte dela", mas "poderia faze sentido mantê-las abertas", considerou o chefe de Governo.
A Alemanha planejava abandonar a produção de energia nuclear no final de 2022.
No entanto, a redução do fornecimento de gás russo à Alemanha trouxe de volta ao primeiro plano a questão de manter em funcionamento as últimas usinas do tipo por mais tempo que o esperado.
Berlim deve decidir nas próximas semanas sobre uma possível ampliação da vida útil das usinas, dependendo do que consideram os especialistas que analisam a situação neste momento.
Assim que os resultados do "teste de estresse" forem divulgados, "tiraremos as nossas conclusões", disse o chanceler durante uma visita a Mülheim an der Ruhr, no este do país.
'Guerra de Putin é imperialista', afirma chanceler alemão Olaf Scholz
Alemanha em alerta para corte total de gás da Rússia
Rússia diminui distribuição de gás natural para Europa
As três usinas nucleares ainda em operação - na Baviera, Baixa Saxônia e Baden-Württemberg - atualmente contribuem com 6% da produção líquida de eletricidade na Alemanha.
A questão da prorrogação do uso divide a coalizão do governo: os Verdes são céticos, o Partido Social-Democrata de Olaf Scholz, até agora reservado, e os liberais do FDP são a favor.
Scholz justificou as reflexões atuais sobre uma possível extensão nuclear com o fato de que o desenvolvimento de energias renováveis, que supostamente substituirão a energia nuclear e o carvão, está sendo mais lento do que o esperado e muito desigual nas diferentes regiões do país.



COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login