Seja bem vindo
Porto Velho,03/10/2022

  • A +
  • A -
Publicidade

Putin convoca 300 mil reservistas e faz ameaça nuclear: 'não é um blefe'

Foto: g1.globo.com
Putin convoca 300 mil reservistas e faz ameaça nuclear: 'não é um blefe'




Em pronunciamento inédito, presidente da Rússia disse também ter prorrogado contratos dos soldados que lutam na Ucrânia por tempo indeterminado. Europeus se disseram preocupados com as ameaças, feitas após rápida contraofensiva das forças ucranianas. 'Isso não é um blefe', diz Vladimir Putin durante pronunciamento
Em um pronunciamento inédito à nação, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou nesta quarta-feira (21) que convocará cerca de 300 mil cidadãos da reserva para se unirem às tropas russas na Ucrânia e fez ameaças nucleares ao Ocidente.
Está é a convocação militar mais numerosa feita pela Rússia desde a Segunda Guerra Mundial.
"Não é um blefe", declarou o líder russo. "(...) Nosso país tem vários meios de destruição, alguns dos quais são mais modernos do que os dos países da Otan".
Compartilhe esta notícia pelo Whatsapp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
No discurso, também sem precedentes desde o início da guerra da Ucrânia, em fevereiro, Putin disse ter prorrogado indefinidamente os contratos dos soldados que já estão lutando no país vizinho e anunciou ainda o aumento de gastos com a produção de armamentos.
Presidente da Rússia, Vladimir Putin, discursa em uma mensagem em vídeo transmitida durante uma conferência internacional de segurança
Kremlin.ru via Reuters
O discurso ameaçador de Putin preocupou o Ocidente (veja mais abaixo) e foi feito em um momento no qual o governo ucraniano faz uma forte e veloz operação de contraofensiva, com o apoio logístico dos países europeus e dos Estados Unidos.
No pronunciamento, transmitido pela TV, o presidente russo disse também que dará apoio aos referendos anunciados para este fim de semana em Luhansk, Donetsk, Kherson e Zaporizhzhia, regiões ucranianas invadidas pela Rússia, para adesão ao país.
Putin afirmou ainda que a Rússia usará todos os recursos à sua disposição para defender o que chamou de "seu povo", sem explicar, porém, que ameaças são essas. Dentre as medidas anunciadas pelo russo está, além do financiamento da produção de armas, a de dar status legal aos voluntários combatendo no Donbass ao lado das tropas russas.
Reações
O discurso de Putin gerou reações imediatas de governantes da Europa.
Apesar de mostrarem certa preocupação com o tom ameaçador de Putin, representantes de países como Alemanha e Reino Unido avaliaram que as novas ações anunciadas pelo líder russo são o sinal de que Moscou está perdendo a guerra na Ucrânia.
O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, chamou as palavras de Putin de "retórica perigosa e imprudente".
Até o papa Francisco, em audiência semanal no Vaticano, falou sobre a ameaça travada por Putin.
"É uma loucura pensar em usar armas nucleares neste momento", declarou o pontífice durante sua audiência semanal no Vaticano.
Já o porta-voz da União Europeia falou de uma "aposta nuclear muito perigosa" feita por Putin, e a ministra de Relações Exteriores do Reino Unido, Gillian Keegan, disse que o discurso é uma "escalada preocupante".
Leia também:
Rússia vai tentar destruir a Ucrânia e mudar suas fronteiras, diz premiê polonês
Por que Ucrânia teve sucesso em contraofensiva à Rússia - e que desafios enfrenta agora
Estrangeiros torturados por forças russas são soltos após contraofensiva da Ucrânia



COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login