Seja bem-vindo
Porto Velho,14/04/2024

  • A +
  • A -
Publicidade

Com 8 metros e 200 kg, maior cobra do mundo é encontrada na floresta a

Fonte: ouropretoonline
Com 8 metros e 200 kg, maior cobra do mundo é encontrada na floresta a Reprodução

Foi descoberta, na floresta amazônica, na porção norte da América do Sul, a maior cobra do mundo com 7,92 metros de comprimento e quase 200 quilogramas (mais precisamente, 199,5 kg).

Uma anaconda verde foi encontrada pelo apresentador televisivo de programas de vida selvagem, o professor Freek Vonk – a cobra é tão grossa quanto um pneu de um carro e tem uma cabeça do tamanho de um ser humano.

Até ao momento, apenas uma espécie de anaconda verde – também chamada de anaconda gigante – foi reconhecida na Amazônia: a nova espécie foi apresentada num estudo na revista científica ‘Diversity’, destacou esta terça-feira o tabloide britânico ‘Daily Mail’.


“Juntamente com 14 outros cientistas de nove países, descobrimos a maior espécie de cobra do mundo, a anaconda verde”, relatou Vonk.

 

“Como todos sabemos por filmes e histórias sobre cobras gigantes, na verdade são duas espécies diferentes. As sucuris verdes, encontradas ao norte da sua área de distribuição na América do Sul, incluindo Venezuela, Suriname e Guiana Francesa, parecem pertencer a uma espécie totalmente diferente.”

 

“Embora pareçam quase idênticas à primeira vista, a diferença genética entre as duas é de 5,5%, e isso é enorme. Para colocar em perspetiva, humanos e chimpanzés são geneticamente diferentes entre si em apenas 2%”, referiu o especialista.

 

Os pesquisadores deram à nova espécie o nome latin ‘Eunectes akayima’, que significa anaconda verde do Norte. Apesar de recém-descoberta, a nova espécie já está ameaçada. “A região amazônica está sob forte pressão devido às mudanças climáticas e ao desmatamento contínuo. Mais de um quinto da Amazônia já desapareceu, o que representa mais de 30 vezes a área dos Países Baixos. A sobrevivência destas icônicas cobras gigantes está intimamente ligada à proteção do seu habitat natural”, apontou.

 

O professor Jesus Rivas, principal autor do estudo, explicou que percebeu pela primeira vez que havia mais de uma espécie de sucuri verde há mais de 15 anos. Com a sua mulher, Sarah Corey-Rivas, começaram a analisar amostras à procura de diferenças genéticas. “Começamos a trabalhar nisto em 2007, quando notamos pela primeira vez que havia uma grande diferença genética entre as amostras venezuelanas e algumas amostras do Peru. Depois iniciamos o processo de recolha de amostras por toda a América do Sul, para completar um mosaico de amostras que nos permitiu montar o estudo”, concluiu.







COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login

Recuperar Senha

Baixe o Nosso Aplicativo!

Tenha todas as novidades na palma da sua mão.