Seja bem-vindo
Porto Velho,21/04/2024

  • A +
  • A -
Publicidade

Senador de Rondônia, Confúcio expressa seu repúdio à Ditadura Militar nos 60 anos do golpe: 'Houve muita tortura’'

Único aliado de Lula no Palácio do Planalto, ex-governador de Rondônia compartilha suas vivências e perspectivas sobre o período ditatorial brasileiro.

Fonte: Rondoniadinamica
Senador de Rondônia, Confúcio expressa seu repúdio à Ditadura Militar nos 60 anos do golpe: 'Houve muita tortura’'
Publicidade

Porto Velho, RO – No último 31 de março, quando se completam 60 anos do golpe militar de 1964, o senador Confúcio Moura, representante de Rondônia no Senado Federal e único membro da bancada federal aliado à gestão de Lula no Palácio do Planalto, refletiu sobre os impactos e desdobramentos desse período sombrio da história brasileira.

Natural de Tocantins, Confúcio tinha apenas 16 anos quando o regime militar se instalou no país. Contudo, suas memórias são vívidas, e ele compartilha sua trajetória desde os anos de juventude até sua atuação política atual.

"Eu tinha quase 16 anos quando irrompeu a ditadura militar de 1964. Ainda era adolescente, morava no estado de Tocantins, na cidade de Dianópolis, mas sempre fui muito atento a todas essas manifestações políticas, mesmo muito jovem e sertanejo do interior do Brasil", relembra Confúcio em seu blog.

Desde os tempos de escola em Goiânia até sua carreira como militar em Rondônia, Confúcio testemunhou e sentiu na pele os horrores e as consequências da ditadura. "Perdíamos todos os políticos da centro-esquerda brasileira; todos os intelectuais, professores das universidades, artistas, estudantes secundaristas e universitários. Houve muita tortura, muita violência", desabafa.

O senador lamenta a polarização atual da sociedade brasileira e observa com tristeza a nostalgia de alguns setores por um regime autoritário. "Agora, estamos nós aqui, em pleno 2024, ainda amargando uma polarização brasileira, muita gente pedindo a ditadura militar", constata.

Apesar das adversidades históricas, Confúcio defende uma visão de futuro para o Brasil, pautada na superação da pobreza e das desigualdades sociais. "Precisamos encontrar modelos inteligentes de sobrevivência, modelos de superação da nossa pobreza, de pensamento grandioso, futurista, para realmente combater a miséria, a desigualdade brasileira, promover o crescimento justo, equilibrado", destaca.

Encerrando suas palavras, o senador reitera sua posição contrária à ditadura e reafirma seu compromisso com o fortalecimento da democracia e dos direitos humanos.

"Eu não comemoro este dia 31 de março com glória. Eu repugno completamente esses princípios. Eu vou convivendo, vou trabalhando, no meio termo, sem fazer críticas frontais a ninguém, mas, aqui dentro do meu coração, eu repudio veementemente, eu não concordo, de maneira nenhuma, com uma nova ditadura", conclui Confúcio Moura.

CONFIRA O TEXTO NA ÍNTEGRA:

60 anos do golpe de 64

Por Confúcio Moura


Eu tinha quase 16 anos quando irrompeu a ditadura militar de 1964. Ainda era adolescente, morava no estado de Tocantins, na cidade de Dianópolis, mas sempre fui muito atento a todas essas manifestações políticas, mesmo muito jovem e sertanejo do interior do Brasil. No entanto, o tempo foi passando, e, dos 18 para os 19 anos, eu me mudei para Goiânia, quando ainda transcorria efetivamente o primeiro governo do ditador brasileiro Castelo Branco. Na escola, no ensino médio, nas faculdades, nos diretórios acadêmicos, na vida, combatia-se a ditadura; havia um subterrâneo de manifestações. Eu mesmo tive vários colegas presos naquela ocasião, jovens, mulheres e homens; e assim foi feito. Fui amadurecendo, 18, 20 anos, me graduei. Fui militar por 10 anos, sargento da Polícia Militar de Goiás, durante a efetivação da ditadura militar. Vim para Rondônia em 1976, janeiro.

Enquanto isso, perdíamos todos os políticos da centro-esquerda brasileira; todos os intelectuais, professores das universidades, artistas, estudantes secundaristas e universitários. Houve muita tortura, muita violência. A ditadura poderia ter aproveitado esse tempo de exceção para implantar os rumos de um Brasil diferente, porque, praticamente, não existia oposição no Congresso Nacional. Mas nada disso ocorreu. A ditadura se especializou na tortura, se especializou nos seus sistemas de informação. Ela se especializou, justamente, na arte de toda a ignomínia política brasileira, e se esqueceu de governar. O governo militar tinha um plano de soberania nacional, um plano ultranacionalista, um plano ultradireitista, e tudo isso foi acontecendo nos seus 21 anos de exercício de exceção. Praticamente nada de bom aconteceu. Depois, com a anistia, foram voltando os verdadeiros líderes brasileiros, os intelectuais, os pesquisadores e os cientistas que estavam no exílio, inclusive Juscelino Kubitschek, Niemeyer, Hidelbrando, Fernando Henrique, Arraes, Brizola, enfim, todos. Posso dizer a vocês, de cátedra e experiência pessoal, que eu vivi esse tempo, e não tenho nenhuma saudade; não tenho nenhum orgulho.

Quando vejo, hoje, o povo brasileiro polarizado, exaltando princípios que foram as bases da ditadura de 64, eu fico muito triste. Talvez esse pessoal de hoje não queira ler a história, não queira ver tudo isso. As manifestações que existiram no Brasil na década de 60, como mulheres se expressando, pedindo a ditadura militar, contra João Goulart, com medo do comunismo – e ele na realidade não era comunista, mas assim o taxaram. Agora, estamos nós aqui, em pleno 2024, ainda amargando uma polarização brasileira, muita gente pedindo a ditadura militar.

Há pouco tempo muita g ente foi para a frente dos quarteis pedirem intervenção, querendo uma nova ditadura, querendo um novo “Estado Novo de 1937”. Acho que o pessoal não tem memória histórica, ou estão brincando de repetir o passado nefasto. Nós precisamos encontrar modelos; modelos inteligentes de sobrevivência, modelos de superação da nossa pobreza, de pensamento grandioso, futurista, para realmente combater a miséria, a desigualdade brasileira, promover o crescimento justo, equilibrado. Chamar quem está de fora para dentro do Brasil; isso é fundamental.

Eu não comemoro este dia 31 de março com glória. Eu repugno completamente esses princípios. Eu vou convivendo, vou trabalhando, no meio termo, sem fazer críticas frontais a ninguém, mas, aqui dentro do meu coração, eu repudio veementemente, eu não concordo, de maneira nenhuma, com uma nova ditadura.

Publicidade



COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login

Recuperar Senha

Baixe o Nosso Aplicativo!

Tenha todas as novidades na palma da sua mão.