Jovens lideranças da capital expoem sua opinião sobre o impeachment

08/09/2016 - 14:51 hs

Jovens lideranças da capital expoem sua opinião sobre o impeachment
Lie Serraty e Djalma Júnior, duas jovens lideranças que expressaram sua opinião a respeito do Assunt
O site Eu Ideal ouviu a opinião de alguns jovens em relação ao afastamento da 'presidenta' e o processo de impeachment no país

Estamos vivendo um momento histórico na política brasileira. A câmara dos deputados e, por último, o senado aprovou o impeachment da presidente Dilma Roussef, dando lugar ao seu vice Michel Temer(PMDB)

Por isso, o site Eu ideal, ouviu as opiniões de alguns jovens estudantes e lideranças partidárias em relação ao processo aprovado.

Confira:


Djalma Junior, dirigente do PHS e coordenador da secretaria municipal de agricultura e abastecimento do município de Porto Velho

O impeachment se fez necessário, a classe política (seja na esfera municipal, estadual ou federal) deve ser sensível às necessidades e opniões do cidadão brasileiro, o povo precisa ser respeitado. O político deve saber que seja qual for o erro cometido, ele vai pagar, não vai continuar impune. Espero também que o pau que foi dado em Chico, também seja atirado em Francisco. Michel Temer também "pedalou" e deve ser julgado da mesma forma.



Matêus Ferreira da Silva, 25 anos, farmacêutico/professor.

É um assunto bem complicado, porque é difícil falar de político sendo imparcial e pensando em todo o sistema, mas eu fui contra. Pelo fato de ficar explicito que não prevaleceu à vontade da massa, e sim a oportunidade perfeita para haver a tentativa de acabar com o combate a corrupção e aos esquemas que vieram a tona após a operação lava-jato. Seria possível tomar o poder, satisfazendo o desejo da população em retirá-la do poder, assumir o governo e de quebra acabar com as investigações. Tendo em visto como os aliados e presidentes tanto da câmara de deputados, como de senadores agiram, ainda mais o posicionamento do vice-presidente Michel Temer , que nem se quer titubeou em apoiar a Dilma em algum momento, surgiu a oportunidade o governo rachou na hora. Por isso fui contra, porque prevaleceu a falsa sensação de que a democracia foi aplicada, quando na verdade só prevaleceu o interesse pessoal dos envolvidos. Seja na tomada do poder, ou no crescimento de popularidade para começar a galgar um espaço na política.


José Carlos Jorge G. Negreiros,  Acadêmico de Direito, 21 anos
O impeachment Está previsto nos artigos 85 e 86 da Constituição de 1988 e na Lei nº 1079/50  O processo de impeachment que resultou na cassação do mandato  da Presidente Dilma, referente ao uso de “pedaladas fiscais”. Pedaladas fiscais são atrasos no repasse do Tesouro a bancos públicos encarregados da operação financeira de alguns programas sociais. Pode-se argumentar que é uma maneira de cumprir artificialmente o orçamento, mas não é crime de responsabilidade. Portanto, em minha opinião Dilma não cometeu crime, houve um golpe contra o voto popular, contra a democracia brasileira, que iniciou quando o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, para escapar do processo de cassação devido a inúmeras denúncias de corrupção que pesam sobre ele, decidiu tocar fogo no país. A oposição, por sua vez, abraçou a causa, já que não se conforma de ter perdido nas urnas as eleições de 2014! em minha opinião a decisão de Cunha foi devido aos votos que lhe foram negados para arquivar seu processo.
O processo de impeachment, como está colocado, é um golpe contra a democracia. Seus articuladores, em sua grande maioria, são investigados e réus em processos. Na comissão do impeachment são 34 investigados pelo Supremo Tribunal Federal, lembrando que na Câmara dos Deputados temos uma maioria de deputados que enfrentam acusações que vão da fraude e entre outros. Contra a Dilma não há absolutamente nada! Sim, é GOLPE!
Não. De forma alguma o processo de impeachment pode ser confundido com baixa popularidade, descontentamento com a presidente, esses motivos não existem como argumento jurídico e não podem ser base para um processo de impeachment.
Portanto, a legalidade do seu mandato é baseada na nossa própria constituição e foi legitimamente conquistado nas eleições de 2014, com mais de 54 milhões de votos.



Alife Campos, estudante e colunista do site Eu Ideal

Sou totalmente contra ao que chamam de ´´Impeachment`` se os políticos que tanto falam sobre justiça e democracia a quisessem de fato teriam antecipado as eleições assim como aconteceu, recentemente, no Canada e como aconteceu no impeachment do Collor. O que fizeram foi semelhante a um colegiado eleitoral, onde instituíram um presidente ilegítimo por votos corrompidos e premeditados nos bastidores, isso é golpe parlamentar! não afirmo simplesmente por opinião, mas com base em argumentos de autoridades e de jornais internacionais como The New York Times, comentado por Chomsky que afirmou ´´Dilma Rousseff é talvez a única política, a única no governo, que não roubou para si mesma. Ela está sendo acusada de manipulações no orçamento, que são práticas muito comuns em outros países, tirar de um bolso e colocar no outro, não dizendo que isso não é uma pratica ruim, mas não justifica o impeachment, uma política que não ´roubou´ para se beneficiar está sendo julgada por uma gangue de corruptos investigados que já o fizeram``, The Guardian, Le Monde, dentre outros, que são muito mais consolidados do que a nossa mídia, que vale ressaltar não merece nem um pingo de confiança conforme a própria história esfrega na nossa cara. Além de serem totalmente imparciais em relação a atual situação no Brasil. Outro aspecto que devemos levar em conta; os Eurodeputados já discutem a possibilidade de cortes nas relações comerciais entre a União Europeia e o Mercosul enquanto Michel Temer permanecer como presidente do Brasil, alguns países circunvizinhos anunciaram a retirada de seus embaixadores do Brasil. Lembrando que a retirada de um embaixador é o mais pesado ato diplomático, o que significa o não reconhecimento da legitimidade do governo de Temer. O SEN. Acir Gurgacz afirmou; ´´Nós temos a convicção de que não há crime de responsabilidade fiscal nesse processo mas há falta de governabilidade...`` -Ora, se não houve crime então porque ela foi condenada? Só posso afirmar que tudo não passa de disputa política o que se transfigura em um golpe institucional, um golpe parlamentar. Não pensem que mantiveram o direito político dela por bondade não! isso foi só para dar precedência para quando for acontecer o julgamento do Cunha e de toda aquela laia. Não sou a favor da ex-presidente Dilma ou do atual presidente Temer, apenas temo pela soberania da democracia, muito jovem, do nosso país.



Lie Serraty, Secretário Geral da Juventude do PMDB

O impeachment nasceu do clamor das ruas e da juventude brasileira, em junho de 2013, milhões de brasileiros se organizaram  em manifestações e invadiram avenidas e praças das principais cidades do pais, pedindo para que a então Presidente da República Dilma Rousseff tivesse seu mandato cassado.
Nossa legislação prevê o impeachment, para presidentes que cometerem crimes de responsabilidade fiscal, ato cometido po Dilma Rousseff, portando a alegação de um "golpe" não se sustenta.
Dilma  perdeu a governabilidade do país e sua credibilidade diante da nação brasileira e nações mundo a fora, não conseguiu segurar a economia brasileira que a cada mês vinha despencando,  mentiu durante as eleições de 2014, quem acompanhou as propagandas eleitorais lembra, e sabe do que estou falando. 

O movimento ganhou força a crise em Brasília aumentava e então no dia 02 de dezembro de 2015 o Presidente da Câmara da época, Eduardo Cunha (figura fundamental do processo), autorizou a abertura do processo e apos quatro meses presidiu a votação na câmara conseguindo a aprovação e encaminhou ao senado.
EM um encontro semana passada com Eduardo Cunha toquei no assunto, e perguntei como seria a vida dele daqui pra frente  e ele disse " O jogo político é muito perigoso, alguém precisava se sacrificar para que o PT saísse do poder, e eu fui sem medo, sem me preocupar com oque aconteceria depois, eu me sacrifiquei" disse cunha.

O presidente Michel Temer tem trabalhado forte com o objetivo de atrair investimentos do exterior, equilibrar a inflação, recuperar a economia, gerar empregos, diminuir a exclusão social, ele vem com a missão de reacender os sonhos dos brasileiros, os sonhos dos novo empreendedores, dos estudantes, das crianças e com certeza não medirá esforços para mostrar resultado nesse tempo de mandato. O país vai andar pra frente, e eu acredito que ainda tem muita coisa pra se arrumar, e isso começa por cada um de nós brasileiros. Muito Obrigado.