Caixa vai emprestar até R$ 1.000 para quem está com o nome sujo

De acordo com Guimarães, o crédito para as pessoas físicas, de até R$ 1.000, terá prazo de pagamento de até 24 meses

18/03/2022 - 19:35 hs

 Caixa Econômica Federal lançou, na quinta-feira (17), um programa para oferecer microcrédito de até R$ 1.000 para pessoas físicas. Terão acesso aos empréstimos inclusive quem está com o nome sujo (negativados) em instituições de análise de crédito, como Serasa e SPC Brasil.

“É a primeira vez que a Caixa empresta para negativados”, afirmou Pedro Guimarães, presidente da Caixa, em evento na tarde de quinta. Também foram anunciadas medidas como o saque de até R$ 1.000 do FGTS e a antecipação do 13º salário dos aposentados e pensionistas do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), dentro de um pacote do governo para estimular a economia.

O crédito será disponibilizado a partir de 28 de março. A iniciativa faz parte do programa SIM Digital (Programa de Simplificação do Microcrédito Digital para Empreendedores). O programa prevê crédito para pessoas físicas e jurídicas que exerçam atividade produtiva com renda ou receita bruta anual de até R$ 360 mil.

De acordo com Guimarães, o crédito para as pessoas físicas, de até R$ 1.000, terá prazo de pagamento de até 24 meses, com juros de 1,95% ao mês.

Também será disponibilizado crédito para MEIs (Microempreendedores Individuais). Neste caso, o valor é maior, de até R$ 3.000, com prazo de até 24 meses e juros de 1,99% ao mês.

As operações de microcrédito poderão ser feitas pelo aplicativo Caixa Tem, da Caixa.

Em nota, o Ministério do Trabalho e Emprego afirmou que o objetivo é fazer o crédito chegar “aos empreendedores individuais, impulsionando a geração de trabalho e renda”.

O governo chama de “empreendedores individuais” tanto quem tem MEI quanto quem é pessoa física.

Para ambas as linhas, os recursos poderão ser utilizados para o aumento do capital de giro, aquisição de insumos e investimentos em equipamentos e utensílios que favoreçam o aumento da produção, informou a Caixa. (UOL)